terça-feira, 17 de outubro de 2017

A IV Bienal do livro de Itabaiana: 20, 21 e 22 de outubro



A IV Bienal do livro de Itabaiana começa sexta-feira às 10 horas e irá até o domingo, dia 22. Será no shopping Peixoto em Itabaiana. Obedecerá o horário do shopping, das 10 da manhã às 10 da noite, menos no domingo, que começa ao meio dia e termina as vinte horas. Imperdível! Venha e traga os amigos, a família...

Eu estarei lançando meu novo livro, 47 romances de cordel em Antologia, cantando heróis sem pompa, todos gente de nossa gente guerreira, um resgate justo e nobre. Qualquer dia e qualquer hora na bienal você pode me encontrar e pegar o seu exemplar autografado na hora. Meninos que não queriam ser padres me ajudarão nessa missão sagrada de difundir a literatura na bienal.

A melhor festa do próximo final de semana

É a Bienal do livro de Itabaiana!

Não perca!

Texto e imagens reproduzidos do Facebook/Antônio Francisco de Jesus

Professores declaram dedicação e amor pela profissão

 Francisco de Assis Rocha garante:
 o professor é a base de toda profissão.

 Wellington Ferreira sabe o importante papel que
 um professor exerce na sociedade.

Para Antoniélia o dom de ensinar foi quase genético:
seguiu os passos da família.

 Para a estudante Gisele, um professor é um exemplo.

 Maria Matilde, mais de 40 anos dedicados ao magistério.

Maria dos Prazeres acredita na força da educação
 para a transformação. (Fotos: Marco Vieira).

Publicado originalmente no site da PMA, em 15/10/2017.

Professores declaram dedicação e amor pela profissão

Responsáveis pelo desenvolvimento do país, por ser a base que transmite conhecimento e garante à execução de todas as demais profissões, os professores são homenageados no dia 15 de outubro, próximo domingo. Eles são o grande referencial, os mestres, que através do seu cuidado e sabedoria assumem o compromisso de transformar nossa sociedade para melhor.

O trabalho é árduo e o compromisso diário para garantir a transferência de conhecimento entre mestre e aluno. Trabalhar na Educação requer atualização e aperfeiçoamento constantes pela responsabilidade de lidar com uma sociedade em constante transformação. É graças ao esforço deles que todas as outras profissões podem exercer suas funções com a devida qualidade. "O educador é à base de qualquer profissão, pois é a partir dessa vivência com o professor, através do exemplo por ele dado, que o aluno assume referência que leva para toda a vida", explica o professor Francisco de Assis Rocha.

No alto de seus 60 anos, destes 35 servindo ao magistério, o professor Francisco conhece bem as dificuldades e alegrias a que o profissional da Educação é submetido. Com toda a sua experiência ele atesta: "A gente vive em uma sociedade marcada pela desigualdade e isso acaba criando algumas dificuldades. Então, nós só conseguimos mudar isso através de uma educação com empatia, onde a gente se coloque sempre no lugar do outro. Quando nós conseguimos alcançar isso é muito gratificante e nós sentimos que estamos contribuindo para construção de um futuro melhor".

Essa vontade transformar o mundo através do conhecimento está no cerne do exercício da profissão. Para cumprir com esse objetivo os professores agem como guias, iluminando o caminho para que se possa seguir em frente. "Nós somos facilitadores e temos o compromisso de formar essa corrente do bem para garantir um futuro melhor para todos. Se eu pudesse mandar um recado para o meu eu do passado, diria para seguir em frente, pois mesmo com as adversidades os professores têm a chance de ajudar a transformar a sociedade", explica Welington Ferreira, 43 anos, 20 deles dedicados ao magistério.

O que garante a formação dessa corrente do bem é adesão de novos elos, os alunos, que são inspirados pelas atitudes e contagiados pelo conhecimento adquirido em sala de aula. "Eu acho que o professor é muito importante para todos nós, para o nosso desenvolvimento. Eles são a base de tudo e servem de exemplo para mim e para os meus colegas", revela Gisele Ribeiro, 12 anos, aluna do sexto ano na Escola Municipal de Ensino Fundamental Laonte Gama da Silva.

Saber que é esse exemplo é o que motiva o educador a prosseguir e a dedicar-se na caminhada pelo compartilhamento da cidadania. "Eu sou professora com mais de 40 anos de experiência, educadora, nem por um minuto na minha vida senti arrependimento pela minha escolha. Eu vivo a Educação e queria com todo carinho deixar uma mensagem aos meus colegas que estão na estrada. Nossa profissão é maravilhosa e, apesar de todos os percalços, sigam em frente, pois são tantos os que precisam de nós", indica a professora Matildes dos Santos.

Para a professora Maria dos Prazeres dos Santos, que está na rede de ensino há quase dez anos, não esconde a satisfação em ensinar por todo esse tempo. "Escolhi a profissão desde os cinco anos de idade. Como professora procuro acreditar sempre no potencial do aluno e para mim não há tempo perdido. Meu foco é o aprendizado do educando, escola é vida e não espero o amanhã para construir conhecimento com os estudantes. Criar vínculos, abraçar, acreditar, amor e dizer estou aqui conte comigo sempre. Esse é um pouco do que me pauto no meu cotidiano. Para mim não existe causa perdida. De alguma forma contribuo para a humanização do humano! É muito amor pelo que faço e represento para os que cruzam o meu caminho", destaca.   

Amor e Mágica

Por conta de seu contato diário com os alunos os professores às vezes assumem um papel até parental, de aconselhar, conversar, ouvir desabafos e emanar carinho atenção e amor. "Eu estou na área da Educação por amor, faço por carinho, e acredito que mudança da sociedade parte daí, por nossa influência na personalidade e na formação do caráter. Enquanto houver amor e carinho eu estarei lutando e acreditando na Educação. Às vezes o professor consegue achar uma força dentro do aluno que nem mesmo ele sabe que tem e isso é a maior gratificação que a gente pode receber", ressalta a professora Krisley Oliveira.

Vez ou outra, o talento para o magistério é quase genético. A experiência de cuidar do outro é passado entre as gerações, criando uma família inteira intervindo diretamente na formação de cidadãos conscientes de seu papel na sociedade. "Ser professora foi quase hereditário. Minha mãe foi professora e na minha família a maioria das mulheres atua na profissão. Então, eu cresci com esse exemplo", afirma Antonélia Fontes, 46 anos, 20 anos de magistério.Tocar o outro dessa maneira é especial e a data específica para comemorar o Dia do Professor serve para trazer à tona a importância ímpar deste profissional e celebrar aqueles que dedicam sua vida a educar e servir de referência para todos nós.

Texto e imagens reproduzidos do site: aracaju.se.gov.br 

“Comunicação Pública e Democratização”

 Professora e organizadora do Obscom,  Juliana Almeida.
Foto: Arquivo pessoal.

Coordenadora do Núcleo de Produção Digital da Funcaju,
 Carolina Westrup (Foto:Edinah Mary).

Publicado originalmente no site da PMA, em 17/10/2017.

Coordenadora do Núcleo de Produção Digital participa de Observatório de Comunicação

“Comunicação Pública e Democratização”. Este foi o tema do Observatório de Comunicação realizado no auditório da reitoria da Universidade Tiradentes (Unit), na noite desta segunda-feira, 16. Uma das debatedoras do evento foi a coordenadora do Núcleo de Produção Digital Orlando Vieira (NPD), unidade da Fundação Cultural Cidade de Aracaju (Funcaju), Carol Westrup, que destacou os desafios da comunicação pública em Sergipe e o trabalho do NPD enquanto instrumento audiovisual responsável por fortalecer a cultura cinematográfica pública na capital sergipana.

Essa é a sétima edição do evento, realizado pela professora e mestre Juliana Almeida, por meio do curso de Comunicação Social da Unit. O evento tem como proposta levar temas de grande relevância para debate com especialistas e estudantes de Jornalismo e Publicidade e Propaganda.

Carol levou para o debate um perfil histórico das políticas de comunicação no Brasil e destacou a importância dos instrumentos de comunicação pública a fim de promover conteúdo de qualidade para sociedade. “Discutir sobre o papel da comunicação pública com pessoas que, talvez no futuro, estarão inseridas diretamente nesse contexto é sempre muito bom porque estimula e também reforça a missão social dos órgãos públicos de comunicação”, observou.

De acordo com a idealizadora do evento, a participação de Carol teve um papel essencial dentro das discussões por sua formação e atuação na área. “Como ela trabalha em um órgão que fomenta a produção audiovisual por meio de um núcleo de comunicação pública, e conhece muito sobre a legislação, tínhamos que trazê-la para debater sobre as questões relacionadas ao tema e também reforçar o papel dessas instituições públicas”, explicou Juliana.

Dentro dos questionamentos feito pelos participantes sobre o que o núcleo vem desenvolvendo na formação de público, Carol exemplificou com projetos de ocupação do Centro Cultural de Aracaju e da praça General Valadão a fim de aproximar as pessoas tanto das manifestações culturais, quanto do audiovisual sergipano. “A Funcaju, por meio do NPD, desenvolve diversas atividades no Centro de Aracaju, onde fica instalado. Cito como exemplo o ‘Ocupe a Praça’, que une diversas manifestações artísticas a fim de promover o debate sobre temas sociais e fortalecer o audiovisual do estado por meio de exibição de produtos cinematográficos”, destacou.

O evento mediado pelos professores e mestres Polyana Bittencourt e Cleon Menezes recebeu ainda o diretor da Rádio UFS FM, Paulo Lages, o jornalista e pesquisador integrante do Interfones, Paulo Vitor Melo, e o superintendente da Fundação Aperipê, Givaldo Ricardo.

Texto e imagens reproduzidos do site: aracaju.se.gov.br

Propriá é tema de livro lançado na Academia Sergipana de Letras

 Livro mostra a evolução sociocultural e econômica do
 município ribeirinho nos últimos 70 anos.

 Marcos Melo em sessão de autógrafos.

Secretário de Estado da Cultura, João Augusto Gama, 
prestigiou o lançamento.

Publicado originalmente no site da SECULT, em 17 de outubro de 2017

Propriá é tema de livro lançado na Academia Sergipana de Letras

Publicação comemora o segundo aniversário da Academia de Letras, Ciências, Artes e Desportos de Propriá

Com o objetivo de recuperar parte da história cultural, socioeconômica e artística da cidade de Propriá nas últimas sete décadas, o economista, advogado e professor Marcos Melo, lançou nesta segunda-feira, 16, na Academia Sergipana de Letras, o seu mais novo livro “Propriá e sua Academia de Letras, Ciências, Artes e Desportos”. O escritor é natural do município ribeirinho e membro da Academia Sergipana de Letras, onde ocupa a cadeira nº 40.

A publicação comemora o segundo aniversário da Academia de Letras de Propriá, fundada em 28 de julho de 2015, da qual Marcos é presidente. “A academia foi criada para resgatar a cultura de Propriá e ser também um fórum de debates sobre os problemas sociais, econômicos e culturais da cidade. O livro é uma espécie de documentário, mostrando a evolução sociocultural e econômica nos últimos 70 anos de uma comunidade que tem mais de 200 anos. Propriá é uma cidade histórica, referência no estado de Sergipe”, revela o autor.

Prestigiando o lançamento, o secretário de estado da Cultura, João Augusto Gama, destacou a amizade de longa data com o escritor propriaense. “Marcos foi secretário de Estado do Planejamento, da Administração e da Indústria e Comércio. Ele cumpre uma função cultural muito importante ao escrever sobre a sua terra natal onde ele tem, ainda hoje, raízes profundas. Um grande intelectual, com outros títulos lançados, que sempre participou do desenvolvimento econômico e cultural de Sergipe”, enalteceu.

Para o também escritor Chico Varella, o exemplo de Marcos Melo deve ser seguido por outros sergipanos. “É de fundamental importância que outros autores possam dedicar seu tempo e sensibilidade para abordar as características da vida sergipana nos muitos lugares do Estado. Conheci Marcos em 1963, em Aracaju. Uma amizade de mais de 50 anos”, revelou.

Sobre o autor

Marcos Melo nasceu em Propriá (SE). É graduado em Economia e Direito e tem mestrado em Administração Pública pela Fundação Getúlio Vargas. Fez vários cursos de pós-graduação no Brasil e no exterior. Foi secretário de Estado do Planejamento nos governos Augusto Franco, Djenal Queiroz e Albano Franco. Foi o primeiro secretário de Estado da Administração e da Indústria e Comércio, respectivamente nos governos João Andrade Garcez e Augusto Franco. É professor emérito da Universidade Federal de Sergipe, onde exerceu o magistério no Departamento de Economia. Foi assessor especial da presidência da Confederação Nacional da Indústria (CNI) e superintendente do Departamento Nacional do Serviço Social da Indústria (SESI). É escritor com livros publicados e membro da Academia Sergipana de Letras. É também presidente da Academia Propriaense de Letras, Ciências, Artes e Desportos (APLCAD).

Texto e imagens reproduzidos do site: cultura.se.gov.br

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Nª Sª Divina Pastora é proclamada padroeira do estado

 Sergipe era o único estado que ainda
 não possuía uma padroeira.

O decreto foi endossado pelos bispos das três 
dioceses da Província Eclesiástica de Aracaju.
Fotos: Arquidiocese de Aracaju.

Publicado originalmente no site do Portal Infonet, em 16/10/2017.

Nª Sª Divina Pastora é proclamada padroeira do estado

Sergipe era o único estado que ainda não possuía uma padroeira

Nossa Senhora Divina Pastora foi aclamada Padroeira do Estado. O decreto foi endossado pelos bispos das três dioceses da Província Eclesiástica de Aracaju e lido no domingo, 15, durante a celebração eucarística celebrada pelo Arcebispo Metropolitano de Aracaju, Dom João José Costa,  Dom Giovanni Crippa (Bispo de Estância), Dom Mário Rino Sivieri (Bispo de Propriá) e dezenas de sacerdotes.

Sergipe era o único estado que ainda não possuía uma padroeira. A sugestão de colocar os católicos sergipanos sob o manto e o pastoreio da Divina Pastora foi apresentada, inicialmente, a Dom João Costa pelo padre Helelon Bezerra dos Anjos, reitor do santuário, durante uma visita pastoral, em 2015. “O Arcebispo escutou, acolheu, ficou entusiasmado com a ideia e aí partimos para as pesquisas. Permitimos que o tempo e a graça de Deus nos fossem mostrando se este seria o caminho”, recordou o padre Helelon.

A elevação de Nossa Senhora Divina Pastora à condição de Padroeira de Sergipe também marca a celebração dos 200 anos de criação de Paróquia de Divina Pastora (1817-2017) e o início da programação comemorativa dos 60 anos da Peregrinação (1958-2018). O padre Helelon pontua ainda que em 2017 são celebrados os 170 anos da morte de José Teófilo de Jesus, pintor baiano responsável pela maior pintura a óleo do Estado de Sergipe, um dos mais belos painéis pintados em madeira, justamente no forro da nave central da Igreja Matriz de Nossa Senhora Divina Pastora.

O Novenário e Festa da padroeira de Sergipe estão programados para o período de 3 a 12 de novembro.  Essa devoção, que é eminentemente sergipana, ancorou em nossas terras em 1782, há 235 anos.

Com informações da Arquidiocese de Aracaju

Texto e imagens reproduzidos do site: infonet.com.br

IV Bienal do Livro de Itabaiana


Bienal do Livro de Itabaiana – Patrimônio Cultural e Imaterial de Sergipe, projeto de Lei 0084/2015 de autoria da Deputada Estadual Maria Mendonça

E chegamos a 4ª edição da Bienal do Livro de Itabaiana, sem dúvida a maior realização voltada para o livro, para a leitura e para a produção literária de Sergipe, que vem transformando em realidade a ideia escrita.

No nascedouro, pouquíssimas pessoas se aventuravam na desestimulante arte de produzir literatura e buscar espaços e possibilidades para mostrar e vender as suas produções. As ações que tínhamos rumo à divulgação e comercialização dos livros eram ainda muito poucas e incipientes. Foi neste ambiente de calmaria que a ideia de uma grande feira começou a habitar as cabeças irrequietas dos idealizadores: Honorino Júnior, (Revista Perfil) Jamyson Machado (Itnet) e Carlos Eloy (FM Itabaiana).

Em 2009, foi realizado o Megaencontro Cultural com o Colégio Alternativo. E, surpreendentemente em um único dia, aproximadamente 5.000 mil pessoas transitaram pelos espaços da Atlética de Itabaiana, visitando estandes e exposições de livros e Carros Antigos. Foram lançados muitos títulos publicados em Sergipe e noutros estados, e vendidos cerca de mil livros.

Em 2011 fizemos a I Bienal, em dois dias, também na Atlética, público estimado em 10 mil pessoas. Muitos escritores lançando livros e mais de dois mil exemplares foram comercializados.

Em 2013, a II Bienal de Itabaiana, foi realizada na CDL e, também na Câmara Municipal de Vereadores, durante 03 dias, cerca de 20 mil pessoas estiveram presentes, venda de mais de 5.000 livros e mais de duzentos lançamentos.

Em 2015, também na CDL, foi estimado um público de 30 mil pessoas que prestigiou durante os três dias aquele mega evento. Foram vendidos milhares de livros.

Este ano a IV Bienal acontecerá nas modernas instalações do Shopping Peixoto, em Itabaiana, nos dias 20, 21 e 22 de outubro.

O inédito e exitoso projeto da Bienal de Itabaiana já é um marco na historiografia cultural literária do Estado de Sergipe que vem estimulando a que se leia mais, se escreva mais e que se publique mais. Esta realidade é visível. Nunca se produziu tanta literatura em Sergipe.

Mas, a Bienal em si é também a geradora de outros movimentos que se expandem a cada dia em Sergipe: Encontros de Escritores e Leitores e Seletas, Concursos Literários e Antologias… Estes movimentos vêm sendo realizados por vários municípios. E muito mais: Clube do Poeta, Cronistas do Sertão, Café Poético, O Escritor vai a Escola, O Escritor na Livraria, Grupos de Debates Literários pelo Whatsapp…

A Bienal do Livro de Itabaiana serve como um despertar para que na verdade haja este grande avanço na literatura.

Domingos Pascoal de Melo – Escritor e Curador da IV Bienal do Livro de Itabaiana/SE

JOUBERTO UCHÔA DE MENDONÇA
PATRONO DA IV BIENAL DO LIVRO DE ITABAIANA

«Um simples bedel de escola, em 50 anos de luta, coragem, determinação, pioneirismo e, principalmente, empreendedorismo, construiu uma obra monumental dedicada à excelência da educação: a Universidade Tiradentes. Jouberto Uchôa de Mendonça é o que de melhor Sergipe tem para mostrar ao mundo. A IV Bienal do Livro de Itabaiana orgulha-se em tê-lo como patrono».

Antônio Saracura – escritor e curador da IV Bienal do Livro de Itabaiana/SE

domingo, 15 de outubro de 2017

Últimos Dias da Mostra Aracaju 2017

Mostra Aracaju 2017 (foto: Diego Ambrozio)

Já imaginou ter em casa aquele móvel que está na lista das últimas tendências das feiras nacionais e internacionais de arquitetura e decoração?

Pois é. Desde esta quinta-feira, 12, até o próximo domingo, 15, você pode levar para sua casa ou ambiente de trabalho, aquela peça que você mais curtiu na "Mostra Aracaju 2017", pagando por até metade do valor que você encontraria na loja.

Os valores e os índices de desconto variam de loja pra loja e vão dos móveis à cortinas, peças de decoração até obras de arte, exceto os objetos que integram o acervo pessoal dos profissionais expositores. Como todos os anos, a procura é grande. Muitas vezes, quem já visitou a "Mostra" retorna para aquisição das peças.

“Tradicionalmente, a Mostra Aracaju já movimenta o mercado de arquitetura, decoração e paisagismo porque traz o que há de mais novo no segmento para Aracaju. E durante a visita é impossível você não se identificar com algo que queira ter em casa: uma mesa, uma cadeira, uma bancada, uma textura, um papel de parede. A "Mostra Aracaju" é uma grande vitrine e, por isso, atrai o investimento de empresas patrocinadoras e parceiras”, explica Mercês Souza, coordenadora da Mostra Aracaju.

Portanto, eu aconselho que você agilize a sua ida até lá para não deixar escapar a aquela peça-desejo por um preço bem em conta.

Texto e imagem reproduzidos do site: bacanudo.com

A guerreira 'Ilma Fontes' comemora 50 anos de jornalismo



Ilma Fontes

Conhecida em todo o Estado pela sua determinação, coragem e incansável ativismo cultural fincado no cenário sergipano - numa luta constante de resistência ao ordinário -, a guerreira 'Ilma Fontes' resolveu comemorar os seus 50 anos de jornalismo com o lançamento do livro "Ávaro Santos - Memórias", com direito a noite de autógrafos e muitos salamaleques, nesta terça-feira, 17, às 19h30m, tendo como espaço o "Memorial do Poder Judiciário", na Praça Olímpio Campos.

A publicação expõe uma série de quadros pintados no decorrer de 30 anos de exercício artístico do artista plástico sergipano 'Álvaro Santos', contando, ainda, com um apanhado de lembranças de pessoas que experienciaram momentos com o artista em sua contemporaneidade, apresentado através de uma linguagem jornalística, com narração multilínguas em português, inglês e francês. Salve!

Texto e imagens reproduzidos do site: bacanudo.com

Bombeiros alertam sobre os cuidados para evitar afogamentos

Confira as dicas de segurança para os banhistas.


Fonte: Corpo de Bombeiros/Divulgação
Reproduzida do site: g1.globo.com/se

Médicos vão lançar antologia de contos, prosas e poesia

Vida' será lançado no dia 18, no Museu da Gente Sergipana.
Foto: divulgação.

Publicado originalmente no Portal Infonet, em 14/10/2017.

Médicos vão lançar antologia de contos, prosas e poesia

'Vida' será lançado no dia 18, no Museu da Gente Sergipana

Um grupo de médicos de Sergipe vai lançar na quarta-feira, 18, uma antologia de contos, crônicas, prosas e poesias. ‘Vida’ foi organizado pelo médico Lúcio Prado Dias e tem como homenageado o médico e poeta, José Abud, integrante da Academia Sergipana de Medicina e da Academia Sergipana de Letras

“Como o nome do livro diz, os textos trazem temáticas de exaltação à vida. O livro traz prosas, contos, crônicas e algumas poesias. Pelo menos cinco ou seis médicos do grupo são poetas”, conta o médico Lúcio Prado Dias.

Lúcio Prado explica que cada edição da antologia pretende homenagear uma personalidade. “A primeira edição vai homenagear um médico já consagrado, que é o José Abud. Ele será homenageado com alguns artigos que contam a história dele e trazem seus poemas”, conta.

A data de lançamento foi uma forma de homenagem à categoria. “Escolhemos essa data por ser o dia do médico. Vamos prestar uma homenagem a todos eles”, acrescenta o médico.

O evento de lançamento será realizado no Museu da Gente Sergipana a partir das 18h e contará com um sarau literário. O Movimento de Apoio Cultural da Academia Sergipana de Letras vai interpretar poemas contidos no livro.

A publicação é da Sociedade Brasileira de Médicos Escritores (Sobrames). São 16 médicos, sendo dois da Bahia e um do Rio Grande do Sul. Participam dessa primeira antologia os médicos Francisco Rollemberg, José Hamilton Maciel Silva, Déborah Pimentel, Marcos Ramos, Antônio Samarone, Geraldo Bezerra, Eduardo Garcia, José Sérvulo Nunes, Gilmário Macedo, José Marcondes, José Aderval Aragão, Nathale Prates, Lúcio Prado, Ildo Simões e Cortes Rolemberg, residentes em Salvador e Luiz Soares, do Rio Grande do Sul.

Por Verlane Estácio.

Texto e imagem reproduzidos do site: infonet.com.br